Hoje eu querocomentar especificamente sobre a angústia que sentimos frente à determinadas situações em particular ou até sobre a vida em geral.

Mesmo estando em um caminho espiritual, de desenvolvimento e entrega, a angústia assalta-nos fazendo-nos crer que podíamos, ser, fazer ou ter mais do que aquilo que aparentamos.

Para iniciar este texto, acessei o Dr. Google, e encontrei na Wikipédia um conceito para o termo “angústia” que diz o seguinte:

Chamamos de angústia a forte sensação psicológica, caracterizada por “abafamento”, insegurança, falta de humor, ressentimento e dor. (…) A angústia é também uma emoção que precede algo (um acontecimento,uma ocasião, circunstância. (…)

Somos humanos, e como tal sujeitos às desventuras de viver uma vida humana. Por mais “espiritualizados”, evoluídos ou conscientes que sejamos, é humanamente impossível permanecermos à mercê dos assuntos mundanos e mais ainda, das atitudes de pessoas que não estão nem ai para o seu próximo.

Mas eu quero ir um pouco mais a fundo na questão da angústia, e me direcionar àquelas pessoas que, mesmo estando na sua caminhada espiritual, estudando e fazendo aquilo que acreditam que seja importante para o seu desenvolvimento, evolução e abertura de conscência, mesmo assim sentem-se angustiadas, como se faltasse algo; como se não fosse suficiente o tempo que dedicam aos estudos, à meditação… à entrega… como se quisessem entrar, conscientemente, em contato com níveis de consciêcia superiores mas não conseguem, reforçando ainda mais o sentimento de angústia.

Eu mesmo me sinto assim em determinados momentos, e tenho que admitir, que esse sentimento de angústia, nada mais é do que um sentimento do EGO. Falta de humildade! Orgulho! É querer ser mais do que realmente nós somos!

Àqueles que se entregam à sua senda espiritual, ao seu caminho, que fazem o que acreditam ser verdadeiro para a sua evolução e abertura de consciência, mas mesmo assim sentem-se frustradas, angustiadas por não estarem fazendo tudo que poderiam, é porque não estão sendo humildes, ou estão se achando mais do que realmente são.

O que estas pessoas deveriam fazer: entregar e confiar. Trabalhar sua humildade e amansar o seu orgulho.

Gosto de me lembrar sempre dos dizeres da minha amiga Ana, instrutora de Hatha Yoga que diz o seguinte: “Tudo está como deveria estar“.

A verdade é que nós nunca sabemos a quantas anda o nosso desenvolvimento. Nós não temos controle e não temos como medir o nosso grau de evolução. As coisas divinas não são medidas por parâmetros humanos, e o que devemos fazer, é simplesmente entregar e confiar.

É tudo tão simples, nós é que complicamos.

Abraço Forte!!

 

Luciano Felipe Debastiani